Estudo Internacional sobre o acesso a cuidados de saúde e a utilização de tecnologias digitais em saúde para pessoas com doença de Parkinson

O CNS – Campus Neurológico, apoiado pela Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson (APDPk), está a participar num estudo internacional para compreender as experiências de pessoas com doença de Parkinson no acesso aos cuidados de saúde em vários países da Europa e no Canadá e para perceber a aceitabilidade da utilização de tecnologias digitais em saúde na gestão da doença de Parkinson.

O estudo consiste em dois questionário online, cada um com cerca de 20 minutos. A participação é voluntária e não exige o preenchimento dos dois questionários.

Se foi diagnosticado com doença de Parkinson e deseja participar, clique nos links para obter mais informações sobre o estudo e aceder aos questionários.

Questionário online: Acesso a serviços de saúde para pessoas com doença de Parkinson

Link: https://www.soscisurvey.de/iCare/?q=iCare_AHS

Questionário online: Aceitabilidade de tecnologias digitais em saúde para a doença de Parkinson

Link: https://www.soscisurvey.de/iCare/?q=iCare_DHT

Projeto Pára Quedas

Vamos iniciar o projecto Parkinson Pára-Quedas, que tem como objectivo capacitar pessoas com Parkinson com informação e conhecimento suficiente para gerir a prevenção e a recuperação de episódios de quedas. Um Projecto financiado pela Bial que procura contribuir para reduzir o impacto e frequência de quedas em doentes de Parkinson. Para mais informação contacte: parkinsonsede2@gmail.com



https://youtu.be/DHVSf0jURYI


Estudo – Exercício na água para doentes de Parkinson

O CNS – Campus Neurológico Sénior, em parceria com a Associação de Educação Física e Desportiva (Página oficial) e o Radboudumc, de Nijmegen, Holanda, está a desenvolver um projeto que tem como objetivo avaliar o impacto de diferentes profundidades de água no andar dos doentes com Parkinson (DP).

As alterações na marcha são comuns e contribuem significativamente para a deterioração da independência e qualidade de vida dos doentes com Parkinson. Em concreto, os doentes apresentam frequentemente episódios de freezing, uma incapacidade temporária e involuntária para andar, descrita pelos doentes como a sensação dos “pés colados ao chão”.

Estudos recentes sugerem que o exercício na água melhora a marcha dos doentes de Parkinson.

Neste projeto, será solicitado aos participantes que percorram um percurso de 10 metros em 2 cenários diferentes: fora da piscina e dentro da piscina com 70cm, 90cm e 120cm de profundidade de água.

Encontra-se atualmente a decorrer a fase de recrutamento de doentes para o impacto de diferentes níveis de profundidade da água de uma piscina no andar de doentes com Parkinson e bloqueios da marcha, entre períodos em que a medicação não está a fazer efeito e o doente está bloqueado (OFF) e períodos em que a medicação está a fazer efeito e a mobilidade do doente está melhorada (ON) e bloqueios da marcha, habitualmente descritos como a sensação dos “pés ficarem colados ao chão”.

Se desejar participar ou saber mais informações sobre o estudo: filipaponaferreira@cnscampus.com