home A Doença de Parkinson A Associação A Túlipa Links
 
As Publicações APDPk
APDPk | Associados
Delegações
Espaço Aberto
Glossário de Termos
Legislação
Notícias
Noticias Médicas
Protocolos
Serviços de Saúde Especializados
Videos Parkinson
Viver com Parkinson
Declaração de Privacidade On-line
Direção Documentos
Conselho Científico
Infarmed
 
Newsletter
insira o seu email, para receber a nossa newsletter periódica.
 
 
 
 
 
 
 
Associa Pro
 
Utilizador
Palavra-chave
 

 

   
Home » Delegações » Barlavento Algarvio | Portimão » A Delegação na imprensa
 
Qualquer pessoa pode ajudar a APDPk

(.../...)
«Na sede, há sempre muito trabalho para fazer, sendo levado a cabo, em grande parte, por voluntários e pelos associados», acrescentou.

O objectivo é ajudar o doente a trocar experiências, a obter mais conhecimentos sobre Parkinson, bem como a aceitar e encarar as novas limitações. Porém, a APDPk tem também serviços de fisioterapia, psicoterapia e terapia da fala.

«É bastante importante que a pessoa não pare, que não fique em casa deprimida. Os doentes têm que conviver, fazer exercícios de coordenação dos movimentos ou jogos mentais, que actuam como estímulo para o cérebro», esclareceu.

Situada na Rua Frei Manuel do Sepulcro, nº 26, em Portimão, os interessados podem obter mais informações sobre a Delegação do Barlavento Algarvio da APDPk, na sede, em www.parkinson.pt ou através do 282426040.


O que é a doença de Parkinson?

Os principais sintomas foram identificados, em 1817, pelo médico inglês James Parkinson, motivo pelo qual a doença adquiriu o seu nome.

Afectando o sistema nervoso, é uma condição crónica e de evolução progressiva, mas não é mortal, nem hereditária. A Parkinson é causada pela perda de produção de dopamina, a substância que funciona como mensageiro químico, responsável pelo controlo dos movimentos.

Investigações científicas realizadas, entretanto, têm permitido desenvolver terapias mais apuradas. No entanto, ainda não foi descoberta a causa do aparecimento da doença, nem a forma de prevenção, os meios de diagnóstico prematuros ou, o mais importante, a cura.

Assim, o controlo dos sintomas só é feito através de um conjunto de compostos químicos. Cada paciente recebe uma medicamentação ajustada às suas necessidades, que deve ter a dosagem adaptada a cada caso.

13 de Agosto de 2008 | 14:06
ana sofia varela

"in" Barlavento Online - Jornal de Informação Regional do Algarve

 
 
Delegações Nacionais
2005-07-11
 
   
 
 
2012 © APDPk - Todos os direitos reservados