A Túlipa

Não são umas túlipas quaisquer! São túlipas James Parkinson, que no seu esplendor vermelho apurpurado e de bordas brancas, se tornaram o ex-libris de muitas Associações de Doentes de Parkinson.


Trata-se de uma flor muito premiada, seleccionada por J. W. S. Van der Wereld, floricultor holandês portador da DP, tendo-lhe dado o nome de túlipa James Parkinson. Foi no ano de 1981, prestando assim homenagem ao médico inglês James Parkinson, nascido a 11 de Abril de 1755 que em 1817 e com 62 anos de idade, que publicou o ensaio “Essay on Shaking Palsy”, descrevendo de maneira bastante precisa a doença que hoje tem o seu nome.